Comentários Eleison 210 – O pensamento de Bento – III

Página inicial > Dom Richard Williamson > Eleison Comments

O PENSAMENTO DE BENTO – III

ELEISON COMMENTS CCX (23 de julho de 2011)

Formato para impressão (em PDF).

Depois de estudar as raízes do pensamento do Papa Bento (CE 209), Dom Tissier em seu tratado A Fé Posta em Perigo pela Razão, prossegue estudando seus frutos. Se esse pensamento tem suas raízes principalmente no subjetivismo sistemático de Kant (1724-1804), os frutos não podem ser bons. Como pode de alguma maneira as verdades objetivas da Fé fazerem-se intrinsecamente dependentes da participação ou reações do sujeito que crê? O Evangelho, o dogma, a Igreja, a sociedade, Cristo Rei e os Novíssimos serão, um atrás do outro, feridos de morte.

Comecemos com o Evangelho. Seu valor já não está em contar os fatos históricos da vida e morte de Nosso Senhor, e sim no poder de sua narrativa para evocar os problemas existenciais de nosso próprio tempo. Por exemplo: que o corpo de Nosso Senhor tenha se unido com a alma humana d’Ele para sair da tumba naquela manhã de Páscoa não é importante. O que importa é o significado moderno detrás da narrativa: o amor é mais forte que a morte, Cristo continua vivendo pela força do amor e isso garante que nós também sobreviveremos por amor. Esqueçamos a realidade dos fatos. “Tudo o que você precisa é o amor”.

O Dogma necessita da mesma forma ser purificado do passado e enriquecido pelo presente. Então, nos tempos presentes, o filósofo moderno Heidegger ensina que a pessoa é um “auto-superador”. Então Cristo foi o homem que se superou tão completamente, que lutou tão totalmente pelo infinito mais além de Si, que se realizou a si mesmo até o ponto de tornar-se divino. Assim é que o dogma da Encarnação já não significa que Deus se fez homem, e sim que o homem se fez Deus! Do mesmo modo a Redenção já não deve significar que Jesus pagou a seu Pai, com sua terrível Paixão, a dívida por todos os pecados dos homens, mas que por sua Cruz amou a Deus em nosso lugar como Deus deve ser amado, e nos chama a fazer o mesmo. O pecado deixou de ser uma ofensa moral contra Deus, é simplesmente um egoísmo, uma falta de amor. Portanto a Missa não necessita mais ser um sacrifício, e o sacerdote se torna simplesmente um animador da celebração comunitária. Não espanta Bento crer na missa do Novus Ordo.

Quanto à Igreja, já que a pessoa que existe é o valor supremo (ver CE 209) e que todas as pessoas existem igualmente, então desfaçamo-nos de uma Igreja com desigualdades hierárquicas, e deixemos de ver na Igreja Católica a única Arca de Salvação, já que os seguidores de cada religião são pessoas existentes. O ecumenismo tem que substituir todos os esforços missionários Católicos. Ademais, fazendo da pessoa valor supremo se dissolverá a sociedade, subordinando o bem comum aos diretos individuais, e se minará tanto o matrimônio como a sociedade pondo a companhia mutua do homem e da mulher por cima dos  filhos. Quanto a Cristo Rei, será destronado ao conferir a cada pessoa tanta dignidade que o Estado deva proteger os diretos desta pessoa a escolher sua própria religião.

Finalmente, a morte, de um castigo, se converte em um remédio para todos nossos males. O Juízo Particular significa unicamente uma recompensa. O inferno não é mais que um estado irrevogável de egoísmo de nossa alma. O Céu será “um eterno novo mergulho no infinito ser” – que ser*? – e assim prossegue.

Aqui temos uma nova religião, comenta Dom Tissier, muito mais cômoda – pelo menos aqui embaixo – que a religião Católica.

Kyrie eleison.

* Esse ser será, neste sistema existencialista, a pessoa existente. NDT.

+

Relacionado:
– EC 208 (09/07/11): O pensamento de Bento – I

– EC 209 (16/07/11): O pensamento de Bento – II
– EC 211 (30/07/11): O pensamento de Bento – IV