Comentários Eleison 202 – Autoridade viril

Página inicialEleison Comments

AUTORIDADE VIRIL

ELEISON COMMENTS CCII (28 de maio de 2011)

Formato para impressão (em PDF).

Dois rapazes, incertos quanto a casarem-se, me suplicaram outro dia para que eu escrevesse um manual sobre como os homens devem comportar-se virilmente. Sua solicitude foi realmente um clamor de angústia: “Quando devemos ser amáveis com as mulheres e quando devemos ser firmes? Já não sabemos!” Anos atrás a resposta para essa pergunta era mero sentido comum para qualquer homem, mas a autoridade hoje em dia foi tão desarraigada pela propaganda liberal que o problema de exercê-la dentro do matrimônio pode explicar em parte por que hoje em dia muitos jovens preferem simplesmente viver juntos a casar. O que se segue não é um manual, mas pelo menos poderá indicar a nossos dois mosqueteiros a direção correta.

São Paulo disse: “Dobro meus joelhos ao Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, do qual procede toda a paternidade nos céus e na terra” (Ef. III, 14, 15). Em outras palavras, toda a paternidade, ou autoridade, entre as criaturas de Deus se modela tendo como raiz a paternidade e autoridade de Deus mesmo, da qual se deriva. Assim como um dos personagens de Dostoievski diz: “Se Deus não existe, então não tem nenhum sentido para mim ser oficial do exército.” Portanto é evidente que se os homens desterram a Deus de suas sociedades, como acontece hoje em dia no mundo inteiro, então toda a autoridade é desarraigada radicalmente. No indivíduo, a razão será incapaz de governar às paixões, na família o pai será incapaz de controlar seu lar e no Estado a democracia se afigurará a única forma legítima de governo, o que não é de modo algum a realidade.

Agora, ao observar a vida cotidiana dentro de uma família, quem pode negar que os homens sejam mais fortes que as mulheres no uso da razão, enquanto que as mulheres são mais fortes que os homens na intuição e no sentimento? Vejam qualquer seriado na TV se duvidarem disto. Os sentimentos têm seu lugar de importância na vida e tal qual nossas esposas, não devem ser menosprezados, mas devem de ser também controlados e guiados, porque vêm e vão, são instáveis e como tal não são guias confiáveis para a ação. Pelo contrário, se a razão discerne o que é objetivamente verdadeiro e justo, se estabiliza pelo fato de que verdade e justiça objetivas estão acima de qualquer indivíduo ou de seus sentimentos. Portanto, a razão pode escutar aos sentimentos, no entanto deve governar-los. É por isso que os homens têm, como homens, uma autoridade natural possuída somente de maneira excepcional pelas mulheres, as quais têm outras qualidades. Essa é a razão pela qual o homem é naturalmente a cabeça da família e do lar, enquanto que a mulher é naturalmente o seu coração.

Mas o liberalismo que governa o mundo moderno dissolve todo o sentido da verdade e da justiça objetivas. Ao fazer-lo, priva à razão de seu objeto e de sua âncora objetiva em uma realidade superior e independente do sujeito que raciocina. Sendo a razão a prerrogativa dos homens, o liberalismo golpeia aos homens antes de golpear as mulheres, cujos instintos femininos não dependem da razão. De igual modo o liberalismo corta a autoridade dos homens que baixa desde o que está acima deles, em última instância a Verdade e Justiça divinas, e faz que o uso da autoridade se torne facilmente arbitrário.

Portanto, rapazes, em todas suas relações com homens o mulheres, busquem ser autênticos e justos, e voltem-se para Deus com o fim de obter a ajuda necessária para discernir onde estão a verdade e a justiça entre tanta mentira e injustiça e tanto uso arbitrário da autoridade ao nosso redor hojeem dia. Entãoatuem de acordo com seu discernimento e serão capazes de reconstruir sua autoridade viril desde o cume, em um mundo que trata de cortá-la desde baixo. Em poucas palavras, “Buscai primeiro o reino de Deus e sua justiça, e tudo o mais vos será acrescentado” (Mt. VI, 33).

Kyrie eleison.