Comentários Eleison 196 – Fiquem acordados!

Página inicialEleison Comments

FIQUEM ACORDADOS!

ELEISON COMMENTS CXCVI (16 de abril de 2011)

Formato para impressão (em PDF).

Em uma situação mundial tão séria, na qual há até rumores de que o recente desastre em tempos de paz no Japão, com seus 27.000 mortos estimados, não foi um ato de Deus, mas sim um ato do homem (procurem por HAARP tsunami na internet), o que um católico pode fazer para salvar sua alma? Com toda a verdade ele não poderá fazer muito, mas o mínimo que pode fazer é vigiar, ou ficar acordado.

É Nosso Senhor que no Jardim do Getsêmani nos propõe a vigília, isto é, manter os olhos abertos e não cair no sono, mesmo diante da oração (Mt. XXVI, 41). A razão é óbvia. Se, como Pedro, Tiago e João, eu não guardar vigília, (Mt. XXVI, 43), eu cessarei de rezar, talvez, como fora o caso, quando Nosso Senhor mais precisar disso. Quantos católicos nos anos 1950 e 1960, especialmente o clero, não estavam observando os sinais dos tempos na Igreja e no mundo, e por isso foram pegos completamente de surpresa pelos passos errados do Vaticano II? É por isso que os “Comentários Eleison”, assim como costumam fazer as “Cartas do Reitor”, estão constantemente se voltando para a economia e a política, para fazer os católicos acordarem para sua religião e suas demandas, de longe compensadas por suas promessas (I Cor. II, 9).

Assim, um especialista de Wall Street (ver JSmineset.com, 30 mar. 2011) pode dizer, “o sistema financeiro está tão danificado que já não se pode repará-lo. Acima disso tudo, não há desejo de reparar nada, porque os sabichões sabem que isso é impossível. Este é o mundo que a falência do Banco Lehman criou. Não é um admirável novo mundo… Jim Sinclair diz que não importa o quanto “dinheiro falso”, como se pode chamá-lo, os bancos centrais imprimam… “O dano está feito e não há solução… Por favor, estejam materialmente auto-suficientes” (grifo meu).

Ainda assim, mesmo os católicos tradicionais são tentados a cochilar, para não dizer cair no sono. Aqui vão dois testemunhos recentes. O primeiro é de um professor numa escola tradicional: — “Eu me sinto muito sozinho na batalha, não a batalha contra os inimigos externos do mundo, mas a batalha dentro da Fraternidade de São Pio X, que está sendo travada com tal sutileza que ninguém parece ter conhecimento disso. É o mesmo que acontecia na Igreja oficial nos anos 1960, a mesma e lenta mudança gradual no comportamento.”

O segundo vem de um observador do atual cenário da tradição católica nos EUA: — “Parece-me que a militância católica está declinando. Eu vejo muitos católicos tradicionais, especialmente pais de família, aceitando os caminhos do mundo. O combate não mais importa a eles. Eles estão felizes em ter sua bonita missa no domingo, mas na segunda mandam seus filhos para a escola pública. A cada novembro eles vão e votam no menor de dois males, assistem a Fox News (conservadora?) e esperam do Partido Republicano (conservador?) a solução para todos os problemas do mundo. Na minha humilde opinião, esta falta de militância está se tornando cada vez mais e mais infiltrada no mundo católico tradicional. Estamos nós (os leigos) retornando para o mesmo estado de circunstâncias que levaram ao Vaticano II? É o católico de domingo agora a maioria predominante no movimento tradicional? Tenho medo de que a resposta para ambas as perguntas seja sim.”

Mas não seria tão mais fácil desistir de nadar contra a corrente, tão mais aconchegante cair nos braços do Sono? O mínimo, bem mínimo que se pode fazer, é jogar fora o aparelho de televisão.

Kyrie eleison.