Comentários Eleison 186 – Contaminação liberal

Página inicialEleison Comments

CONTAMINAÇÃO LIBERAL

ELEISON COMMENTS CLXXXVI (05 de fevereiro de 2011)

Formato para impressão (em PDF).

Se o liberalismo no seu sentido mais amplo for definido como a libertação do homem em relação a Deus (veja os “Comentários Eleison” da semana passada), então o catolicismo liberal do século 19 decorrente da Revolução Francesa (1789) representou amplamente a bem-sucedida libertação da política em relação a Deus, enquanto o modernismo liberal do início do século 20 foi à tentativa fracassada de libertação da Igreja Católica em relação a Deus, fracasso devido à intervenção de São Pio X. No entanto, essa tentativa conseguiu triunfar meio século mais tarde, algo além dos sonhos mais liberais, durante o Concílio Vaticano II. Aqui abaixo está outro testemunho recente que recebi, da Itália, observando como o Tradicionalismo liberal está agora trabalhando na libertação da Tradição Católica em relação a Deus (se nós ao menos tivéssemos metade da perseverança do Diabo)!

“Após a liberação da Missa Tridentina pelo Motu Proprio de 2007, uma grande quantidade de católicos se aproximaram da Tradição, mas sua qualidade variava muito. Como era inevitável, o aumento da quantidade de pessoas trouxe para a Tradição muitos católicos que nunca haviam estado convencidos de sua importância, e cuja idéia de Tradição ainda era fundamentalmente subjetiva, como se ela fosse opcional e não obrigatória. A este respeito, mesmo que Bento XVI tenha dito alguma coisa útil em seu discurso de 22 de dezembro de 2005, seus efeitos foram desastrosos.

“A confiança no papa então fez com que qualquer pensamento crítico sobre a liturgia moderna, a catequese ou a doutrina fosse deixado em segundo lugar. Alguns se tornaram amplamente impopulares ao estabelecer distinções ou tentar esclarecer a confusão. No entanto, o anúncio de Assis III desferiu um duro golpe sobre este espectro amplo e frágil da Tradição, e os católicos tiveram que se decidir. Contrastes vieram à tona, e as primeiras divisões surgiram.

“Bento XVI tem conseguido infectar o grande potencial dos jovens  católicos ligados à Tradição ou próximos a ela, e ele conseguiu criar divisões. Grande parte desse potencial está agora em ruínas, mesmo que alguém possa colocar a esperança em que Deus trará muitos outros jovens para falarem e se comportarem como verdadeiros católicos. Então, quantos católicos abraçarão de todo o coração a justa causa da Igreja? Teremos que esperar  a poeira assentar e homens de boa vontade e vigor aparecerem. 

“Testemunhar a Tradição clama mais do que nunca por claras e firmes declarações. Hesitar ou vacilar só faz estragos. Enquanto isso, lutemos, aguçando o tom sempre que necessário, apontando abertamente os males da Nova Igreja Conciliar de Bento XVI. A opinião pública na Itália está longe de se preocupar com os verdadeiros problemas da Igreja. Os católicos aqui aprenderam durante séculos a acreditar que o que o Papa diz é um Evangelho. Eles são filhos de nossa época.”

Certamente este testemunho sugere que a marginalização de Êcone pela Igreja constituída em 1975, e sua condenação definitiva com a “excomunhão” de 1988, ajudaram a salvar a Tradição Católica da contaminação. Será que o Senhor Deus com a mesma finalidade precisará permitir outra divisão e marginalização? Nós devotamente esperamos que não!

Kyrie eleison.