Algumas informações úteis sobre a nova Missa

Página inicial > Crise da Igreja > Missa Nova > Missa Nova e Reforma Liturgica

ALGUMAS INFORMAÇÕES ÚTEIS SOBRE A NOVA MISSA

Formato para impressão (em PDF).

  • O Papa Paulo VI não respeitou exatamente os procedimentos legais quando promulgou a Nova Missa. Consequentemente a Nova Missa não é uma lei universal.
  • A Nova Missa é má por si mesma e perigosa para a Fé Católica. Sendo assim a Igreja jamais poderia promulgar uma lei que fosse má ou prejudicial às almas.
  • O Novus Ordo Missae não foi promulgado pela Sagrada Congregação dos Ritos segundo os procedimentos canônicos corretos.
  • Na “Acta Apostolicae Sedis” (O órgão oficial da Igreja Católica que anuncia as novas leis para toda a Igreja) não aparece nenhum decreto da Sagrada Congregação para os Ritos impondo a Nova Missa.
  • Nas edições sucessivas da Nova Missa, (o decreto de 1969) é substituído por um segundo decreto (o decreto de 26 de março de 1970) que se limita apenas a “permitir” o uso da Nova Missa. Este segundo decreto, que “apenas permite” o seu uso, sem, no entanto, torná-lo obrigatório, aparece na Acta Apostolicae Sedis.
  • Uma nota da Congregação para o Culto Divino concernente à Nova Missa (1971), diz que “Não se pode encontrar nesse texto nenhuma proibição explícita a nenhum sacerdote que queira celebrar a Missa Tradicional, nem alguma ordem obrigando a celebrar exclusivamente a Nova Missa”.
  • Uma outra nota datada de 1974 ao invés, impõe sim uma obrigação, mas essa não aparece na “Acta Apostolicae Sedis” e nem diz que Paulo VI a tenha aprovado.
  • A característica principal dessas reformas é a sua “legislação confusa”. E é exatamente nisso que se comprova a infalível do Espírito Santo à Igreja. O Espírito Santo não permitiu que os modernistas promulgassem as suas reformas corretamente, com uma perfeita força legal. O Novus Ordo Missae foi promulgado pelo Papa Paulo VI com tal número de irregularidades – em particular a ausência total de termos jurídicos corretos necessários para obrigar todos os sacerdotes e os fiéis – que não se pode afirmar que esse seja coberto pela infalibilidade que o Papa empenha nas leis universais.

Padre François Laisney

Ex-superior da FSSPX nos Estados Unidos.

Extraído do site: Missa est

*

Relacionado:

 – A promulgação da Reforma Litúrgica perante a infalibilidade da Igreja
Áudio-palestra pelo Rev. Pe. Alejandro Rivero FSSPX.

Anúncios