Comentários Eleison 183 – Perigosa terra dos sonhos

Página inicialEleison Comments

PERIGOSA TERRA DOS SONHOS

ELEISON COMMENTS CLXXXIII (15 de janeiro de 2011)

Alguém me enviou recentemente algumas frases do Pe. Denis Fahey (1883-1954), que provam que nem todos os católicos antes do Vaticano II estavam “dormindo no ponto”. Podemos dizer que muitos católicos estavam? Sem dúvida que sim. Além disso, muitos ainda estão, incluindo parte dos chamados católicos tradicionais, porque as mesmas causas produzem os mesmos efeitos, e as causas que deram origem à cegueira dos católicos em meados do século 20 são mais fortes do que nunca neste início de século 21.

A seguir está um breve trecho do livro do Pe. Fahey chamado “O Reino de Cristo e o Naturalismo Organizado” (1943). (as frases estão numeradas com propósito de serem comentadas na sequência): 1) “Os católicos estão sucumbindo às maquinações dos inimigos de Nosso Senhor, porque eles não estão sendo treinados para o combate real deste mundo. 2) Eles saem da escola sem  um conhecimento adequado da oposição organizada que eles certamente encontrarão, apenas com noções nebulosas dos pontos da ordem social  que devem defender… 3) E os católicos que realmente lutam por uma verdadeira ordem cristã sempre têm a certeza de encontrar outros católicos no campo contrário”.

1) A maioria das pessoas no mundo de hoje não acredita mais que a vida verdadeiramente boa será obtida no Céu com Deus, graças à salvação por meio da fé em Nosso Senhor Jesus Cristo e na sua Igreja, logo, eles confiam que outros homens lhes irão fornecer uma boa vida na terra, e assim a política torna-se em efeito a sua religião, e os seus governos tomam o lugar da Divina Providência. Então, fica cada vez mais difícil para as pessoas acreditarem que os seus governos e seus modos de vida são de fato controlados por verdadeiros inimigos de Nosso Senhor, por exemplo, como nossos governos poderiam estar mentindo para nós sobre o 11 de setembro? No entanto, essa confiança nos governos modernos revela uma lamentável compreensão da realidade, e ainda que seja generalizada, se os católicos se permitirem compartilhá-la (mesmo que não a ponto de se tornarem revolucionários), eles inevitavelmente “não serão treinados para o combate real” da Fé neste mundo. Além disso, fazer parte dessa terra dos sonhos aqui em baixo lhes trará sérias dificuldades para alcançar o céu real do verdadeiro Deus lá em cima.

2) Pode ser difícil ensinar a alunos e seminaristas que Nosso Senhor tem amargos inimigos, porque a sua oposição organizada está habilmente disfarçada. Mas os jovens certamente encontrarão essa oposição, portanto, a menos que esse disfarce seja desmascarado pelos professores que os preparam para a vida ou para o sacerdócio, os jovens católicos estarão indo combater com vendas nos olhos, ou com uma mão amarrada nas costas. E como o liberalismo individualista é fortemente promovido pelos inimigos de Nosso Senhor para dissolver o que resta da ordem cristã, os jovens necessitam, em particular, de aprender bem o que a Madre Igreja ensina sobre “os pontos da ordem social que eles devem defender” e sobre a natureza social do homem.

3) Ai! Como aquele grande Papa do século 19, Pio IX, disse: até os amargos inimigos de Nosso Senhor que estão fora da Igreja devem ser menos temidos do que os católicos liberais que estão dentro da Igreja. Estes ridicularizam a ideia de que alguém poderia estar “maquinando” contra Nosso Senhor. Afinal, “Todo mundo é legal, não é?”, (dito com um ar efeminado). Não, nem todos são!

Pe. Fahey, rogai por nós!

Kyrie Eleison.